Aviso Semanal – 02

semanal

A semana
No cenário econômico internacional à medida que se aproxima a posse do novo presidente dos EUA, Donald Trump, os agentes vão reavaliando as expectativas criadas em torno de seu governo. Aquilo que no discurso de campanha assombrava os mercados e que no pós-pleito o trouxe para um otimismo exacerbado vem se diluindo ao longo do tempo com atitudes que remetem de volta a campanha.
O risco de políticas protecionistas e de guerras comerciais que venham a prejudicar o comercio global estão se materializando rapidamente. A queda nas taxas dos títulos americanos e do dólar frente às demais moedas são sinais evidentes do aumento das incertezas.
No cenário local a queda na taxa básica de juros na semana passada em 0,75%, mesmo tardia traz um benefício na margem para a economia em prazo mais longo, já que é evidente que a política monetária no Brasil há muito tempo deixou de ser um instrumento de magnitude eficiente na transmissão dos efeitos para economia, sendo a razão principal da persistência de uma taxa de juro real alta demais.

 

Juros
A redução da taxa básica em 0,75% pelo Copom na semana passada não deveria causar surpresa, surpresa é estarmos numa profunda recessão e com a taxa ainda em 13% ao ano.
Deveríamos, de certo, é estar com juros pré Copom em 12% sendo reduzido a 11%
È evidente que ocorreu uma intervenção política para essa queda, pois historicamente essa equipe não possui o perfil e o modelo de política monetária que contemple taxa de juros reais mais condizentes com a condição econômica. Enfim, antes na força do que nada.
Expectativa para a semana: Continuidade da queda, agora mais moderada, em toda curva futura de juros

 

Câmbio
Mesmo com toda desvalorização recente do dólar em todo o mundo, por aqui a moeda norte americana parece ter encontrado um piso em torno de R$ 3,20, devendo girar em torno deste patamar durante essa semana.
Espero que a equipe econômica saiba avaliar que o dólar neste patamar não só prejudica a indústria local e as contas do setor externo, como também retarda o crescimento econômico.
Expectativa para a semana: Semana fechando em R$ 3,19/3,23 por dólar

 

Bolsa de Valores
Impulsionada por um otimismo na queda da taxa básica de juros e pela valorização das commodities, em especial o minério de ferro que disparou no principal mercado com a decisão da China em reduzir sua produção, fato que levou uma das principais ações, a Vale do Rio Doce de R$ 22,50 para R$ 29, o Ibovespa ultrapassou os 63 mil pontos.
Conforme exposto acima, esse otimismo corre o risco de se tornar um “sonho de dias de verão”. Daí a necessidade de cautela e redução de posições que representem maiores riscos.
Expectativa para a semana: 62.500/63.500

 

“Um negócio que não produz nada além de dinheiro é um negócio pobre.” Henry Ford

 

*As opiniões aqui contidas são pessoais e não representam recomendação de compra ou venda de ativos financeiros. Desta forma, os autores estão isentos de quaisquer responsabilidades sobre as decisões de investimentos tomadas por seus leitores.
O Aviso em Dois tem como finalidade a troca de ideias, informações e conhecimentos técnicos com os leitores e participantes do mercado financeiro.

About

Economista e Palestrante. CEO do Portal Aviso em Dois e do Projeto Arrisque

View all posts by

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *