Aviso Semanal – 13

semanal

A semana: Na semana que passou a presidente do Banco Central Janete Yellen deu o tom da economia para o médio prazo. Yellen na terça-feira deixou clara sua intenção de aumentar gradualmente as taxas de juro de referência de maneira muito mais lenta do que o mercado esperava. A perspectiva de 4 aumentos na taxa para 2016, que se tinha no início do ano, no pós-última reunião do FED tinha se reduzido a 2, após a fala já se estima em zero correção.
Gradualismo maior do FED, juros negativos em alguns países, estímulos monetários aumentando no mundo só provocam naturalmente corridas para ativos reais e especulativos.
O lado positivo para países emergente como o Brasil é que a liquidez continuará abundante e as commodities devem reajustar ainda mais para cima. O negativo é que esses movimentos só evidenciam a fragilidade econômica global provocada pela ultima grande crise. Eis então o motivo dos mercados continuarem voláteis, mesmo com a abundancia de recursos. Os ativos tendem a se valorizar no médio prazo com mais instabilidade e realizações de curto prazo.

Juros: Os indicadores de preços (inflação) continuam se arrefecendo em função da queda de atividade econômica e aumento da taxa desemprego. Com ajuda do recuo da moeda norte americana o Banco Central deveria reduzir essa taxa básica rapidamente já que essa redução só irá provocar efeitos em um momento mais a frente.
Expectativas para a semana: Breves realizações com continuidade de redução em toda a curva de juros, em especial nos prazos mais longos.

Câmbio: Nunca é demais repetir o texto da semana passada. Diante de tantas incertezas na economia mundial o recuo do FED na sua política de normalização monetária e os demais bancos centrais expandindo suas políticas de afrouxo monetário só sugere que dólar é que está em patamar muito alto, e que seu recuou é condição básica para um equilíbrio que permita o crescimento global ser retomado. Importante acompanhar o dollar índex (cotação do dólar frente a uma cesta de principais moedas do mundo). A atuação do BC com redução da rolagem dos swaps tradicionais e colocação de swaps reversos já mostra tentativa de conter a forte valorização do real observada nos últimos dias.
Expectativa para a semana: Fechamento da semana em R$ 3,45/3,55

Bolsa de Valores: No mercado de renda variável como a bolsa o capital abundante em busca de rendimentos vem encontrar na Bovespa preços muito mais atrativos na relação risco/retorno que a maioria de outras praças. O comportamento do câmbio neste período recente é muito favorável a maiores entradas de capital estrangeiro, já que o medo que a desvalorização do rela não tivesse mais fim foi dissipado pelo contexto atual. A combinação de ativos “baratos” com moeda mais estável é altamente benéfica.
Como em todos os mercados a volatilidade provocada pela insegurança e temor de nova crise global tende a ser mais acentuada em mercados de ações. Realizações de curto prazo são neste momento totalmente naturais.
Expectativa para a semana: Fechamento da semana em 50.000/51.000

“A confiança dá à conversa mais conteúdo do que a inteligência.” Confúcio

*As opiniões aqui contidas são pessoais e não representam recomendação de compra ou venda de ativos financeiros. Desta forma, os autores estão isentos de quaisquer responsabilidades sobre as decisões de investimentos tomadas por seus leitores.
O Aviso em Dois tem como finalidade a troca de ideias, informações e conhecimentos técnicos com os leitores e participantes do mercado financeiro.

About

Economista e Palestrante. CEO do Portal Aviso em Dois e do Projeto Arrisque

View all posts by

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *